sábado, 28 de junho de 2008

Mayorazgo de Colombo ou a Vingança de Baldassare (7)


Aqui o Sr. Rosa esquece-se uma vez mais que D. Hernando Colón disse por duas vezes que seu pai era de Génova, no seu testamento e na biografia do Almirante, e que, por isso, costuma dizer que não é credível! E cita a biografia de Colombo escrita por D. Hernando, que passa a ser credível, subitamente, pois dá jeito para citar a “missa em Todos-os-Santos” de Colombo!

Face ao anteriormente exposto, resta acrescentar, em defesa do vilipendiado Baldassare, que este lutou até à sua morte pela herança de Colombo, nunca tendo sido suspeito de qualquer falsificação, que essa suposta falsificação de nada lhe interessava num mayorazgo revogado mas inteiramente apoiado pelo Codicilo de 1506, como muito bem explicam Anunciada Colón de Carvajal e Guadalupe Chocano em En Torno al testamento de Critóbal Colón de 1502, sucedeu-lhe seu filho, o qual veio a receber 2000 ducados da herança de Colombo.
Note-se ainda que Baldassare tudo fez para aclarar a sucessão, recorrendo às chamadas “paulinas”:
«En la Villa de Madrid, a diez y ocho días del mes de henero de mill y quinientos y ochenta y seis años, ante mi el notario y testigos infrascritosparescio presente el señor Doctor Juan Hurtado, advocado en esta Corte, al que yo el notado infrascrito doy fee que conozco y dixo que por quanto a su noticia ha llegado como a instancia de Don Baltasar Colon fue ganada una paulina del Iltmo. Sr. Nupcio de Su Santidad, dada en Madrid, a nueve de noviembre del año de 1585 passado contra las personas que tienen o saben a donde esta el testamento que hizo don Cristoval Colon el año de quinientos y dos, o alguna clausula o parte dello y el dicho Sr. Doctor Hurtado por miedo de no caer en las censuras contenidas en la dicha Paulina, ha qúcrido hazer, como haze, la siguiente declaración y dixo que haviendo sido este declarante proveydo por curador al litem de don Cristoval Colon, hijo del Almirante don Luis Colon, el Doctor Verastegui le entregó ciertos papeles que el dicho Almirante Don Luis havia dexado en su poder, que todos eran papeles simples, excepto una escriptura que parescía ser testamento codicilo del dicho don Cristoval Colon, la qual le paresce que tenía una firma del dicho don Cristoval, pero a lo que se quiere acordar estava borrada y escrito en la margen que no havía de valer aquella dispusicion, sino otra, y que, por mandado de los señores del Consejo de Yndias, la entrego al Secretario Valmaseda muchos dias ha, y que no sabe otra cosa de lo contenido en la dicha paulina, y que esta es la verdad y lo juré en forma. Siendo presentes por testigos Joan Perez, don Manuel Btauo y Joan de Cespedes, estantes en esta Corte y el dicho Sr. Doctorlo firmó. Va entre renglones a do dize. Dada en Madrid a nueve de noviembre del año 1585 passado. El doctor Hurtado. Ante mi Antonio Frasca, notario publico» (firmado y rubricado)
«En la Villa de Madrid, a diez y nueve dias del mes de henero de mill y quinientos y ochenta y seis años, ante mi el notario y testigos infrascritos paresció presente el Sr. Doctor Joan de Verastegui, advocado de esta Corte y dixo que por quanto a su noticia ha llegado como a instancia de don Baltasar Colon fue ganada una paulina del títmo.
Sr. Nuncio de su Sanctidad, dada en la villa de Madrid, a nueve dias de noviembre del año proximo passado mill y quinientos y ochenta y cinco, contra las personas que tienen o saben adonde esta el testamento que hizo don Cristoval Colon en el año de quinientos y dos, o alguna clausula o parte dello, y el dicho Sr. Doctor Verastegui, declarante, por miedo de no caer en las censuras contenidas en la dicha paulina há querido hazer, como haze, la siguiente declaracion y dixo que el ha tenido y tiene en su poder un traslado de cierto testamento o codicilo que otorgo el Almirante don Cristoval Colon a diez y nueve dias del mes de mayo de mili y quinientos y seis años, otorgado ante Pedro de Ynoxedo, escrivano real en la villa de Valladolid, en que haze mencion que tenia fecho su testamento y que el lo ratificava y approbava, en que dize que el año de quinientos y dos, quando partio de España hizo ordenanza y mayorazgo, la qual escritura dexo en el Monasterio de las Cuevas, en Sevilla, a Fray Don Gaspar con otras sus escripturas y privilegios, la qual ordenan9a apprueba y confirma; pêro que aquella ordenanza y mayorazgo de quinientos y dos nunca este declarante la há visto ni sabido della, y cree y tiene por cierto que si la hubiera tenido o tuviera en su poder el Almirante Don Luis Colon se la hubiera monstrado a este declarante, porque desde el año de quinientos y cinquenta y dos hasta que murio fue su letrado y le comunico muchos negocios y secretos suyos, y que las escrituras que tubo del dicho Almirante don Luis Colon sobre cosas de su estado las entrego al Doctor Hurtado, aduocado en esta Corte quando fue proveydo de curador de Don Cristoval Colon, su menor, por inventario, al qual se remitte. Y esto es lo que sabe de lo contenido en la dicha paulina y que esta es la verdad, y lo juró en forma. Siendo presentes por testigos don Joan de Verastegui Fajardo y Miguel de Anoz y Joan Perez, estantes en esta Corte y el dicho señor declarante lo firmó de su nombre, al qual yo el notario doy fee que conozco. Va entre renglones: decía. vala. va tachado reno, no vala. El Doctor Verastegui.
Ante mi Antonio Frasca notario publico» (firmado y rubricado)


Documento 3

«En la villa de Madrid, a veynte y seis dias del mes de henero de mili y quinientos y ochenta y seis años, ante mi el notario y testigos infrascritos parescio presente Pedro de Acosta, natural de la villa de Vilvao y de presente residente en esta villa de Madrid y Corte de Su Magestad, agente que dixo ser del Conde de Gelves, y dixo que por quanto ha venido a su noticia como a instancia de don Baltasar Colon fue ganada una paulina del Iltmo. Señor Nuncio de Su Sanctidad, dada en la dicha villa de Madrid, a nueve dias del mes de noviembre de mill y quinientos y ochenta y cinco años proximo passado, e informado de lo contenido en la dicha paulina, por no caer en las censuras en ella contenidas, ha querido declarar, pomo declara, lo siguiente y dixo: que puede hauer siete años poco más o menos, hallandose este declarante en la villa de Valladolid haziendo ciertos negocios encomendados a el por don Cristoval de Cardona, Almirante de Aragon, le dixo a este declarante Fray Joan de Añgulo, de la Orden de Sancto Domingo, que residia en el Colegio de San Gregorio, de Valladolid, que en la celda de fray Joan Delgadiflo, frayle de la misma orden que residía en el mismo colegio, havia un bául lleno de papeles que tenia Alonso de Villarreal, y que andando el dicho Fray Joan de Angulo a rueáo y entercession deste declarante en busca del dicho baul de papeles, el dicho Fray Joan de Angulo dixo a este declarante que el dicho de Villarreal los havia mudado de alli, y los havia llevado al Monasterio de San Paulo; y porque la diligencia que este declarante hacia era para saver del mayorazgo y testamento que hizo don Cristoval Colon y asni andando este declarante en estas diligencias hablando con el dicho Alonso de Villan-eal, dixo a este declarante que si el Almirante de Aragón se lo pagase, el le daria papeles con que se aclarasse la justicia de lo tocante al ducado de Veraguas y a su mayorazgo. Y ansi mismo, el didio Fray Joan de Angulo, el qual es natural de la ciudad de Cordova, dixo a este declarante tratando sobre papeles del ducado de -Veraguas y mayorazgo que hizo don Cristoval Colon como desde Corte fue una persona, que no se acuerda si fue Juez o pesquisidor, a la dicha villa de Valladolid al dicho Colegio por los paieles tocantes al ducado de Veraguas, que estaban en poder de un obispo, frayle de la Orden de Santo Domingo; que residía en el dicho Colegio, y sabiendó que el dicho Juez o pesquisidor andava en busca de los dichos papeles, el rector y frayles del dicho Colegio los dieron a un frayle mutilon del dicho Colegio para que los escondiese, el qual los llevó a una granja del dicho Colegio, y el dicho frayle mutilQn se murió y, despues de muerto el dicho frayle mutilon, el dicho rector y frayles del dicho Colegio dixeron que havia sido gran descuydo a no preguntar al dicho frayle mutilon ántes que muriese adonde havia dexado los dichos ~apeles, y ansi el dicho rector y frayles enbiaron unos frayles deldicho Colegio a buscar los dichos papeles en la granxa, y andandolos buscando y no los hallando, uno de los dichos frayles dio con martillo en una pared y, como sono en gueco, dio mas recio y rompió un taybiquillo que estava hecho, y alli dentro haliaron los dichos papeles tocantes al ducado de Veraguas y a su mayorazgo y se los tomaron y los guardaron; lo que hicieron de los dichos papeles este declarante no lo save ni el dicho fray Joan de Angulo le dixo otra cosa. Otrosi dixo que havrá seis años, poco mas o menos, ségun se quiere acordar, andando este declarante buscando papeles tocantes al ducado de Veraguas y a su mayorazgo en la villa de Valladolid, halló una proban~a hecha ante Juan de Salzedo, receptor de la Chancilleria de Valladolid, entre el Almirante Don Diego Colon y Doña Philippa, su muger, antes que se casassen, en la qual probança paresce a este declarante que leyó un dicho de un frayle compañero del dicho Obispo; la qual contenia que yendo el Almirante don Luis Colon al dicho Colegio a visitar al dicho Obispo que, entiende este declarante, que havia sido su maestro, havia abierto el mayorazgo, el qual estava enquadernado y cobierto de terciopelo carmesi y leyeron la clausula la qual dexia que havia de heredar y succeder siempre en este estado hombre y no muger alguna. Otrosi dixo este declarante En torno al testamento de Cristóbal Colón del año 1502 175 que habra diez y seis años, poco mas o menos, este declarante estando en servicio del Almirante don Luis Colon en Oran, el dicho Almirante tenia un cofre lleno de papeles suyos, los quales, despues de la muerte de dicho Almirante don Luis, quedaron en poder de Antonio Prieto, su mayordomo. Otrosi dixo que habra cinco años, que los hace esta Pasqua de Resurrecion que viene, que este declarante vino a esta villa de Madrid y halló aqui el dicho Antonio Prieto y preguntandole destos papeles, dixo que los tenia en su casa, en la ciudad de Orán. Y esto es lo que sabe de lo contenido en la dicha paulina y lojuró en forma. Siendo presentes por testigos Francisco de Ribera y Pero Hernandez, los quales juraron en forma que conozen al dicho declarante, y lo firmó. Y ansi mismo este declarante dixo que la dicha provanqa hecha ante Juan de Salcedo, receptor de la Chancilleria de Valladolid, la envió desde Valladolid a esta Corte, a Francisco de Xuara, que hazia los negocios del Almirante de Aragon. Va tachado a do dice andando, no vala. Pedro de Acosta. Ante mi Antonio Frasca, notário publico (firmado y rubricado)”



Bibliografia

Ángel de ALTOLAGUIRRE y DUVALE, La patria de Cristóbal Colón, según las actas notariales de Italia.

_____ Declaraciones hechas por Don Cristóbal, Don Diego y Don Bartolomé Colón acerca de su nacionalidad.

Anunciada COLÓN DE CARVAJAL & Guadalupe CHOCANO HIGUERAS, «En torno al testamento de Cristóbal Colón del año 1502» Quinto Centenario, n.º 15, 1989, pp. 167-176.


Maria Benedita Vasconcelos

23 comentários:

Anónimo disse...

Maria Benedita, como explica que Baltasar Colombo apresentou uma cópia do testamento de Cristóvão Colombo se pelos textos que acaba de meter aqui mostra que ele andava em busca desse mesmo testamento?

Anónimo disse...

Pour obtenir la réponse il suffit de lire les ouvrages cités en référence...

C'est simple !

Maria Benedita Vasconcelos disse...

Ao anónimo das 4h50mAM

Baldassare procurava o mayorazgo de 1502, que se sabia que Colombo tinha feito mas não aparecia. O que apareceu, o de 1497, do qual Baldassare pedira uma cópia, estava revogado pela mão do Almirante. Caso tivesse aparecido o de 1502 o defecho dos Pleitos não seria muito diferente, o Rei não ia deixar passar o mayorazgo para as mãos de um vassalo do Duque de Mantova, mas o acordo final daria a Baldassare ainda mais do que os chorudos 2000 ducados que recebeu.

Anónimo disse...

Vamos lá ver se vos entendo.
Baltasar vai para Espanha e faz uma cópia do testamento de 1497 que estava revogado e que de facto tinha data de 1498 porque era importante possuir cópia de um testamento revogado.
Depois leva meses empenhado em descobrir o verdadeiro testamento de 1502 porque aquele revogado não lhe servia de nada.
Após não conseguir encontrar o testamento verdadeiro aquele testamento revogado de 1497 (perdão 1498) vem a ter uma folha roubada pelas mãos do Almirante de Aragão.
O Conselho das Índias viu-se obrigado a substituir uma cópia da folha roubada com a cópia providencialmente feita por Baltasar Colombo.

Agora que não se consegue encontrar o testamento verdadeiro aquele revogado torna-se no mais valioso dos documentos que jamais deveriam de ter valor porque estaria revogado.
Mas segundo vós este tinha em claras letras que estava revogado, embora segundo alguns tendo sido revogado tinha ao mesmo tempo sido registado em 1501 como verdadeiro somente uns meses antes do verdadeiro testamento de 1502!!!!

Agora vamos lá ver cuidadosamente o documento que nos apresentam....

Nenhuma das folhas mostra nenhum texto a dizer que está revogado. Ou seja fizeram uma cópia de um testamento revogado mas não copiaram o texto que dizia estar revogado!!!!!
Interessantíssimo não acham?

Depois o Conselho das Indias revistou o documento para provar que era verdadeiro e decidiram que era verdadeiro porque tinha escrito nele:
"No valga esta escritura y valga otra que yo hice de mi letra año de 1502, a 1 de abril, en el Monasterio de las Cuevas de Sevilla que tiene Fray Don Gaspar".» "

Mas o documento que temos hoje não comtém este texto em lado nenhum o que mostra claramente que jamais poderia ser o mesmo documento revisto pelo Conselho das Indias cujas páginas podem ser vistas no Archivo de Indias http://pares.mcu.es/

Testamento de Cristobal Colón : fundación de mayorazgo PATRONATO,295,N.101 1498-02-22 / -

Somente este pequeno detalhe bastaria para fazer qualquer um desconfiar deste documento tal como o senhor Manuel Rosa nos mostrou.
Não se devem fiar neste documento como sendo a prova difinita que o homem era de Génova.
Pois ele aparenta ser falso por todos os ângulos.

Renato Sousa

Maria Benedita Vasconcelos disse...

Sr. Renato Sousa
Ao que parece o Conselho das Índias não lhe merece o menor crédito!
Azar o seu, pois são as decisões do Conselho das Índias que têm valor e ninguém se importa com a sua discordância, que tem o peso que tem!
Sobre a revogação do mayorazgo de 1497,
tomo II, pág. 221 de la Colección de Viajes de don Martín Fernández de Navarrete
Archivo Histórico Nacional. Leg. 21477, pieza 35.
Archivo Histórico Nacional. Leg. 21477, pieza 5.ª
Academia de la Historia. Colec. Salazar. S. 53. Memorial de la Casa de Veragua.

Anónimo disse...

Porque será que ainda não se viu criticar neste Blog (já que ele foi criado para criticar a teoria de Colombo(Zarco/Colon)português)a pintura alusiva aos descobrimentos, situada no Palácio/Convento de Mafra.
Srs. críticos, querem fazer o fazer de darem umas palavrinhas sobre o facto de Colon figurar accorrentado em Sudoeste, ao lado de outros heróis dos descobrimentos? Não percebi!!!
Como um suposto herói de Castela figura ao lado do Infante D. Henrique, Duarte Pacheco Pereira, e Pedro Álvares Cabral?

Ècco!

J. C. S. J. disse...

Não nos regemos por agendas alheias. A seu tempo, se se justificar, ver-se-á. Entretanto, poderá ler os dois ou três comentários que nesta página já foram feitos sobre o assunto.

Anónimo disse...

O que quer dizer por "agenda alheia". Por esta questão estar deslocada do post? Será? Se não abrirem o tema a discussão, certamente que não se pode comentar a devida agenda, conquanto eu penso que só existe um tipo de agenda neste blog, isto é, a dicussão acerca da naturalidade de Colon.

Quanto à pintura em discussão, único comentário que li sobre o mesmo neste blog (em agenda errada!!!) apenas referia o nome do pintor, mas não uma interpretação do mesmo.

Sem interpretar, uma coisa é certa, Colon não está representado ao lado de criminosos e traidores de Portugal, antes pelo contrário.

Querendo interpretar, esta pintura não prova cabalmente a nacionalidade do navegador, mas prova que ele é um herói de Portugal. Que serviços teria feito por Portugal Colon para figurar entre heróis portugueses? A resposta parece lógica...

Cumprs.

Post Scriptum - Se quiser censurar este comentário, então tenha coragem de abrir uma "agenda" sobre o tema.

J. C. S. J. disse...

Usei «agenda» no sentido restrito do termo, ou seja, daquilo que se tem para fazer. Nada mais.
Como aqui só se escreve com conhecimento de causa e depois de nos informarmos devidamente, e como ninguém nos paga para fazermos este trabalho, escrevemos quando nos apetece e quando temos algo de válido para dizer.
Diz-nos também o instinto e a experiência, que tudo o que vem dos crentes na naturalidade portuguesa de Colombo é de desconfiar e é sempre passível de explicação mais prosaica, por isso mais uma razão para não nos precipitarmos e deixar o outro campo desfrutar mais esta vitória aparente.
Como já anteriormente se escreveu, em História há sempre tempo e há muito tempo.

Anónimo disse...

Já percebi o que aqui se pretende. Não é a procura da verdade, mas sim de refutar tudo aquilo que advém dos crentes da nacionalidade portuguesa de Colon...
Então é esse o vosso método de redescobrir a história!!!

Muito bem...

Anónimo disse...

Ao anónimo das 9h 45m

Exactamente por este blog querer a verdade verdadinha é que só se escreve com conhecimento de causa e se tem que se perder tempo para isso, perde-se. Não se mandam atoardas para o ar sem provas nem conhecimento de causa, como temos vindo a descortinar e criticar nos adeptos do Colombo português

Maria Benedita

Anónimo disse...

Cara Maria Benedita;

Enquanto se cognominarem de "atoardas" às constantes descobertas e provas de falsidade da teoria genovesa (por parte da teoria internacional de Colon Português), os nossos jovens continuarão a aprender nas escolas uma História fantasiosa. Mas parece-me que só se ficará definitivamente satisfeito com a prova de DNA; até lá, aguarde-se...

Um dia gostaria de ver ensinado em Portugal efora dele, que os navegadores portugueses descobriram cerca de 2/3 do mundo, estabelecendo a primeira 'internet' a nível global.

Anónimo disse...

Ao anónimo das 9:51;

Olhe que eu já comecei a ensinar aos meus alunos a outra face da história!!
Já chega de dizer que Colombo era Genovês, quando já quase toda a comunidade de historiadores e intelectuais refutam completamente essa 'historieta' vendida.
Se era POrtuguês, não o posso afirmar com certeza. Mas pelo exercício da lógica (desde a recepção das tábuas de orientação de Abraão Zacuto que Colombo recebeu de POrtugal pouco antes da partida para o novo mundo; desde a educação e o casamento em Portugal, desde as conferências com João II e a Rainha no regresso do Brasil...e muito mais)posso considerar com um certo vigor, essa hipótese.

As sementes estão lançadas...

J. C. S. J. disse...

Está, pois, a lançar sementes de ervas daninhas.
1. É enganoso dizer que quase toda a comunidade de historiadores refute a “historieta vendida”, o que é, aliás, um expressão pouco digna para alguém com formação básica neste ofício. A verdade é que maior parte da referida comunidade pouco se importa com o assunto porque – como muito bem deve saber – há mais História para além de Colombo. Já os investigadores ocupados no estudo deste período têm fundadas razões para, pura e simplesmente, se rirem de todas as lucubrações que procuram afirmar uma ideia estouvada ao arrepio de tudo o que fontes das mais diversas proveniências demonstram depois de aturada crítica.
2. a) A mesma lógica também pode levá-lo a afirmar que a política de segredo não existia ou que o controlo da Coroa sobre informação sensível era, no mínimo, falível. b) Não há nada a mostrar a educação recebida por Colombo e o que este pessoalmente demonstra é a apreensão de conhecimentos parcelares, não sistemáticos e confusos, próprios duma aprendizagem autodidáctica. c) Filipa Moniz é da pequena nobreza dependente duma grande casa senhorial e contrai matrimónio com Cristóvão Colombo, um plebeu ligado a grandes casas comerciais com negócios com os patronos da noiva, facto que – como bem sabe qualquer professor de história – não é invulgar ao longo das idades Média e Moderna. d) Cristóvão Colombo não conferenciou com os reis, quando muito terá sido recebido em audiência por estes. e) Presumo que tenha referido Brasil quando queria escrever Antilhas, não sendo assim trata-se dum erro muito grave.

Anónimo disse...

1. Quanto às 'semente de ervas daninhas', penso que a situação é inversa, uma vez que a teoria Genovesa cria dano no estabelecimento da verdade.

2. Eu não ensino aos meus alunos que Colombo era Português. Apenas ensino que não era Genovês, existindo uma forte probabilidade de ser português.

3. Podem apresentar aglobalidade dos documentos já conhecidos por todos (muitos deles já considerados falsos), mas ainda não se viu aqui nenhuma novidade.

4. Quando se escreve sem ler cometem-se erros e, como tal, também cometi um. Sim, queria dizer antilhas (Índias Ocidentais / Novo Mundo) e não, Brasil.

5. Podemos chamar audiência, mas pode-se tratar de uma questão de nome, uma vez que segundo a teoria de Colombo como espião de D.João II, uma outra situação poderia tornar-se perigosa para o Navegador.

6. Sei muito bem que há mais história para além de Colombo, e pode ser isso verdade, talvez um dia ainda se surpreenda novamente com outras matérias polémicas.

J. C. S. J. disse...

3. «documentos... considerados falsos».

Diz bem, e eu sublinho, considerados, o que não é o mesmo que demonstrados.

A situação está neste momento como tem estado nos últimos cem anos, ou seja não há dados novos a acrescentar que alterem a certeza ajuizada da naturalidade italiana de Cristóvão Colombo.
As alegações de que determinados documentos são falsos, não têm passado disso mesmo: alegações. Nenhuma delas se provou verdadeira, antes pelo contrário. Tudo o que tem sido divulgado como pretensa prova de falsidade de documentos relevantes para a biografia de Cristóvão Colombo, tem sido facilmente refutado de forma inapelável, o que só demonstra a fragilidade dos argumentos usados.

Colon-o-Novo disse...

"J. C. S. J. disse...
Está, pois, a lançar sementes de ervas daninhas."

Ervas daninhas vêm do seu lado e logo desde o início deste blog.
Em vez de titular-lo "Revisão da História Colombina" aceitou que a história Colombina é Pseudo História.

1. É enganoso dizer que a "política de segredo não existia". É simples e puramente falso. Todos os reinos, reis, guerreiros, nobres, e plebeus usaram e usam segredo para manterem suas vantagens sobre os outros. Isso é politica da mais básica. E no reinado de D. João II houve politica de segredo sim senhor. Pois havia uma lei de pena de morte passada pelo Principe Perfeito protegendo assuntos de navegação. Assim existem "fundadas razões para, pura e simplesmente, se rirem de todas as vezes" que vocês insistem que não havia politica de segredo. O vosso problema é de encontrarem um mapa de Martellus ou de Waldseemüller e automáticamente gritarem:
"Olhem não havia "politica de segredo" porque aqui está alguém que sabia das descobertas portuguesas."
É enganoso afirmar tal ponto sem fazer uma investigação séria ao assunto. Como sabem NUNCA antes da viagem de Colon houve alguma infromação enviada pelo mundo fora sobre descobertas feitas por Portugal de terras no Atlântico.
- Não aconteceu com as Canárias em 1340
- Não aconteceu com a Madeira em 1418
- Não aconteceu com os Açores antes de 1424
Não aconteceu com o Canadá em 1424
- Não aconteceu com as descobertas pelas costas de África desde 1430 até 1488
- Não aconteceu com o Cabo da Boa Esperança em 1488
- E não aconteceu com a descoberta do Brazil antes de 1500

O que vocês apontam ser contrário a uma politica de segredo é encontrarem um mapa desenhado por um estrangeiro que deveria ser um segredo de estado português.
Mas não perguntam quem eram os estrangeiros que faziam esses mapas e em que reino andavam. Não eram Castelhanos que faziam esses mapas.
Como vocês bem sabem Castela era o ÙNICO inimigo de Portugal desde a sua independência e que Portugal tinha todos os outros reinos de Europa como seus amigos. Por isso colaboração com Alemãos, Italianos, Ingleses não era desvendar segredos pois era nesses reinos que D. João II tinha seus aliados.
Ainda mais Freire Mauro fez um Mapa-Mundo para o Infante D. Henrique na Itália. Quantas noticias é que vocês têm divulgadas na Itália no ano de 1460 sobre esse mapa que falava de segredos portugueses?
Quantas cartas foram impressas pelo mundo europeu dando as noticias do Mar do Sargasso e de terras 2000 milhas a Ocidente de Lisboa?
Não foi mantido o segredo por Freire Mauro?
Encontrar um mapa feito a pedido de D. João II noutro reino amigo do rei não prova que não havia politica de segredo mas sim que essa politica era até mantida por outros aliados de Portugal.

Para provar que não havia politica de segredo em Portugal basta os senhores trazerem aqui uma só carta ou livro impresso em 1460 dando as novidades contidas no mapa de Freire Mauro. Ou cartas impressas pelo mundo fora dando as noticias da passagem do Cabo da Boa Esperança.

Basta apontarem somente um só caso que isso tenha sido divulgado pelo grande público em que se descreve as descobertas do Cabo da Boa Esperança para provar o vosso ponto que não havia politica de segredo.
É enganoso dizer que não havia sem o poder provar.

2. É enganoso dizer que "Não há nada a mostrar a educação recebida por Colombo" pois ele próprio faz cartografia e desenha os percursos dos astros, - documentos que ainda hoje se podem ver nos arquivos - escreve latim, escreve castelhano, escreve livros de profecias, e é louvado tanto pelo rei de Portugal como pela rainha de Castela como muito sábio e muito culto.
O vosso problema é que sempre pensam que uma pessoa pode-se ensinar a si latim e castelhano mas não se possa ensinar a si Italiano. Colon nunca foi autodidáctica foi sim bem instruido por outros.

3. É enganoso dizer que Filipa Moniz casou com "Cristóvão Colombo, um plebeu ligado a grandes casas comerciais com negócios com os patronos da noiva" sem ter uma só prova.
Presumiram que por Filipa Moniz ser relacionada com a casa de Viseu que ela seria automáticamente casada com alguém que se ligasse ao comércio da Madeira. Mas NEGAM que o casamento precisava da autorização do Mestre de Santiago.
Ainda pior sendo este caso o único entre um plebeu e uma nobre na época e que não existe uma só nota em nenhum local português a relatar tal invulgar acontecimento nem sequer Rui de Pina fala nele.

4. É enganoso dizer que "Cristóvão Colombo não conferenciou com os reis" pois todo o mundo sabe que ele teve várias entrevistas em Castela desde 1486 e que estava a ser pago pela corte de Castela desde 1486. Mas o que vocês negam mostra a vossa ignorãncia sobre este assunto:
"Pedro Correa, casado con una hermana de la mujer del Almirante, le dijo que él había visto en la isla de Puerto Santo, otro madero, llevado por los mismos vientos, bien labrado como el anterior; y que igualmente habían llegado cañas tan gruesas...."

"Dice que afirmaba lo mismo el Rey de Portugal, y que hablando con éste de tales cosas se las mostró; y no habiendo parajes en estas partes, donde nazcan semejantes cañas, era cierto que los vientos las habían llevado de algunas islas vecinas, o acaso de las Indias"

Leiam com mais cautela COLON "dice que afirmaba lo mismo el Rey de Portugal, y que hablando con éste de tales cosas se las mostró..."

Cristóvão Colon antes de fugir para Castela antes de 1484 já falava com D. João II de tais descobertas e o próprio REI de Portugal lhe mostrou as provas de tais terras a ocidente. Ou seja Colon andava sim em "conferências" com o rei de Portugal sobre terras e descobertas. Sim com o mesmo REI que teria que lhe dar autorização para casar com uma senhora cuja manutenção estava encomendada á Ordem de Santiago.

O problema deste blog é de não saberem profundamente o assunto que estão a negar e de aceitarem que o que foi dito antes era a verdade. Aceitam que um homem ensinou-se a si próprio os mais altos conhecimentos do seu dia a ponto de poder capitanear um navio de guerra para Renato dÃnjou cerca de 1474, de navegar até ao Canadá para D. João II em 1477, de casar com uma nobre portuguesa cerca de 1479 com autorização de D. João II, de andar em conferências com este rei sobre descobertas e terras ocidentais antes de fugir para Castela, de se apresentar como nobre em Castela exibindo armas próprias, de ter seus filhos reconhecidos como pajes sem ter feito NADA, de ter altos nobres portugueses a defenderem-no em Castela, e de ter conseguido enganar os monarcas Castelhanos por 22 anos.
Mas mais admirável é que ele ainda consegue engar vocês hoje.

Manuel Rosa

Maria Benedita Vasconcelos disse...

Manuel Rosa
Retomamos a cassette avariada!
A política de sigilo existia, sim ATÉ Á DESCOBERTA!Depois dela não existia sigilo nenhum, antes pelo contrário, proclamava-se em altos brados a descoberta e reiivindicavam o território!
Filipa Moniz não tem qualquer documento que comprove que esteve em Santos,Não era filha de um cavaleiro de Santiago, não era Dona,e, se casou com um plebeu não fez mais que muitas outras. Já se lhe demonstrou que NOBRES CASAVAM COM PLEBEUS, a pequena nobreza casava com a burguesia em ascensão, http://pwp.netcabo.pt/soveral/casadatrofa/trofa4.htm
Assim, continuar a teimar no mesmo é pura desonestidade e nada mais.
E não é com esse tipo de atitudes que se chega á verdade dos factos, não é invocando argumentos falsos e mentindo que me faz acreditar na sua boa-fé quanto a uma busca da nacionalidade de Colombo.

Anónimo disse...

Pena que tanto esforço é feito sem se ir ás fontes averiguar-las. Pelo que parece o Sr. Manuel Rosa estava correcto em descartar o Sr. Navarrete e de novo prova proque é que ele é deveras o único perito português neste assunto.
É uma vergonha dizer-mos que temos tantos historiadores em Portugal e que só o Sr. Manuel Rosa pode discriminar o que é verdade sobre Colombo.

J. C. S. J. disse...

Está a malhar em ferro frio.
Mesmo que se viesse a invalidar o testamento, ainda restariam documentos suficientes, testemunhos e tudo o mais para sustentar a certeza da naturalidade italiana de Colombo.
Tudo isto faz-me lembrar aquela mãe que vendo o filho a desfilar com o passo trocado exclama bem alto: «Vejam, Chico é o único com o passo certo!»
Não gosto de apelar à autoridade, nem é agora que o vou fazer. Limito-me simplesmente à invocação do princípio da plausibilidade. Será possível que todos os historiadores ao longo dos séculos tenham sido tão incompetentes que nunca repararam que Cristóvão Colombo pudesse ser outra coisa que não aquela que as fontes declaram?
Mais. Será que se pode afirmar em História algo sem suporte documental? Qual é o documento que diz que Colombo é português?
Haja decoro e respeito pela inteligência das pessoas.

Maria Benedita Vasconcelos disse...

Ao anónimo das 12 57

Enquanto Manuel Rosa ignorar o que é um Mayorazgo e falar de treslados como se de vários documentos se tratasse, pode perorar á vontade sobre Navarrete que nem este se aflige, por óbvios motivos, nem ninguém com cinco reis de cultura!
Uma vergonha é o senhor engulir treslados "múltiplos"!

Maria Benedita

Anónimo disse...

"Enquanto Manuel Rosa ignorar o que é um Mayorazgo e falar de treslados como se de vários documentos se tratasse"
Podem explicar para aqueles de nós que não estão dentro do assunto o que significa este comentário?
Especialmente pode-nos explicar se o treslado que conhecemos de 1498 é um só documento em totalidade ou falta alguma página?
Se é um documento completo onde está o selo de notário e se não está completo onde está o resto?

Vasco

Anónimo disse...

Manuel Rosa

Em vez de oferecer 1000 euros, pegue neles e consulte no AIN os memoriais dos pleitos sobre a sucessão do Ducado de Verágua onde está inserido o Mayorazgo, começando o documento por:

«En la muy noble ciudad de Sevilla a (em branco) del mês de (em branco) año del nascimiento del Nuestro Salvador Jesus Cristo de mil quatrocientos y noventa y siete años, estando dentro de las casas donde para el muy Magnífico Señor D. Cristóbal Colón, Almirante mayor del mar Océano, Visorrey y Gobernador de las Indias y Tierra firme, por el Rey y la Reina nuestros Señores y su Capitán general del mar, que son en esta ciudad, en la Colación de Santa María, estando allí presente el dicho Señor Almirante, y en presencia de mí Martín Rodríguez, escribano público de la ..."

Mareia Benedita