segunda-feira, 2 de junho de 2008

Cristóvão Colombo - Documentos VI



De Lettere di Cristoforo Colombo, autografi conservati nel Palazzo Municipale Di Genova, Município de Génova, MCMXII, apresenta-se a cópia da carta dos magistrados do banco de S. Jorge, em Génova, a Cristóvão Colombo, de 8 de Dezembro de 1502.



Copia di lettera scritta dal Magistrato di S. Giorgio a Cristoforo Colombo

Ill. vir et clarissime amantissimeque Concivis et Domine memorandissime.
Per lo spectabile Jureconsulto Messer Nicolò de Oderigo ritornato
de la legatione per questa excelsa nostra Comunità appresso de quelli
excellentissimi et gloriosissimi Re. n'é stato dato una lettera de Vostra
Claritudine, la quale ne ha data una consolatione singularissima, vedendo
per quela, Vostra Excelentia essere, corno è consentaneo a la natura
sua, afectionato de questa sua originaria patria, a la quale mostra portar
singularissimo amore et carità, volendo che de le gratie, le quale la
divina bontà s' é dignata fare a Vostra Excelentia, la patria ante dicta
et populi de quela debiano sentire bona commodità et fructo memorabile,
habiando ordinato a lo preclarissimo Don Diego vostro figliolo, che
de la decima de ogni rendita soa ogni anno debia in questa cita provedere
a desbitatione de le gabelle grano, et vino et altre vitualie, la
qual cosa non poteria essere più caritativa, nec etiam più memorabile,
nec tendere a major memoria de la groria vostra, la quale in le altre
cose est tanto grande et tanto singulare, quanto se habia per alchuna
scriptura homo del mondo mai haveire questo, habiando per vostra
propria industria, animosità et prudentia ritrovato tanta parte de questa
terra et globo del mondo inferiore, la quale per tutti li anni passati
seculi a li homini de la nostra habitabile è stata incognita.
Ma questa tanta excersità vostra de cossi singularissima gloria a
dire lo vero ne pare più memorabile et completa essendo condita de la homanità et benignità che dimostra haveire a questa primogenia patria:
perchè laudemo cum infinite laude la vostra dispositione et preghemo
lo onipotente Idio conservarvi longamente cum felicità. A lo prenominato
Don Diego vostro preclarissimo figliolo saremo sempre tanto affectionati
quanto importa la conditione sua per essere vostro figliolo, ac la excelentia
de li facti e gloria vostra, de la quale questa nostra comune patria
prende et ha avuto la parte sua; a lo quale Don Diego se siamo
offerti per lettera, et cossi se offeriamo a vostra Excelentia in tuto
quelo che sia in nostra mano poteire fare per honore et crescimento
de la gloriosissima Casa vostra. Lo prenominato Messere Nicolò ne ha narrato molte cose de le gratie et privilegi vostri, li quali ha portati qui traslati; del che semo consolatissimi, et ve refferimo immortale
gratie de quelle ne ne habiati facti partecipi.

Ex Genua MDII die VIII decemb.



Tradução inglesa (1):

Copy of a Letter written by the magistrate of St. George's to Columbus.

Ill. Vir, et clarissime, amantissimeque
Concivis, et Domine memorandisseme.

The distinguished Juris Consult, Messer Nicolo di Odérigo,
on his return from the embassy to which he was appointed from
our illustrious Republic, to the most excellent and glorious
monarch, (of Spain,) delivered me a letter from your Excellency,
which gave me singular pleasure, from the affectionate
regard, so conformable to your disposition, which your Excellency
therein exhibited towards your native country, to which
you have shown most singular love and charity, in wishing it
to be partakers of the favors which it has pleased Divine
Providence to bestow upon your Excellency. Your aforesaid
country and people must feel what singular profit and advantages
they will derive from the orders you have given to Don
Diego, your son, that the tenth of your annual revenues should
be paid to this city, in diminution of the duties on corn, wine
and other provisions. Nothing could be more charitable, nor
more memorable than this, or will tend more to the remembrance
of your glory, which, in other respects, is as great and
extraordinary, as according to history, any man in the world
has ever acquired, having by your own perseverance, energy and
prudence discovered so large a portion of this earth and globe of
the lower world, which for so many centuries past had remained
unknown to the people of that which we inhabit. But this great
exercise of your extraordinary glory, is in truth much more
memorable and complete, as proceeding from the humanity and
benignity which it proves you possess towards the country of
your birth, on which account we praise, as it deserves, your
disposition, and pray to God to preserve you many years. We
shall always bear that affection towards your most illustrious son,
Don Diego, which he is entitled to, as being your son, and from
the splendor and glory of your actions of which this our common
country is proud of having its part. To Don Diego we have
expressed by letter, as we now do to your Excellency, our
readiness to do everything in our power for the honor and
advantage of your illustrious family. The above mentioned
Messer Nicolo has related to us many things respecting your
Favors and Privileges, of which he has brought copies here,
with which we were much gratified, and return you everlasting
thanks for those of which you had made us partakers.

From Genoa, the 8th of December, MDII.

Here ends the publication by the Decurions of Genoa, in 1823.



Tradução espanhola(2):

Copia de la carta escrita por el Magistrado de San Jorge à Colon en fecha 8 de Deciembre de 1502

Ilustre Baron y esclarecido y amadisimo Conciuda-
dano y Señor memorabilisimo. - Por el respetable Juris-
consulto Monseñor Nicolas de Oderigo, regresado de la
legacion por esta nuestra excelsa Comunidad cerca de
aquellos excelentisimos y gloriosisimos Reyes, nos ha si-
do entregada una carta de V. S, Esclarecida, la qual nos
ha dado un consuelo singularisimo, viendo por ella ser
V.E., como es proprio de su naturaleza afecto á esta su
originaria patria, á la qual muestra tener singularisimo
amor y cariño, queriendo que de las gracias que la divina
Bondad se ha dignado hacer á V.E. la Patria ante dicha
y sus pueblos disfruten de buena comodidad y memora-
ble fruto, habiendo ordenado á vuestro preclarisimo hijo
Don Diego que con el décimo de todas sus rentas anuales
deba proveerse en esta Ciudad al págo de las gabelas, gra-
no y vino y otras vituallas; cosa que no podria ser mas
caritativa, ni mas memorable, ni propender á mayor me-
moria de vuestra gloria, la cual, en las otras cosas, es tan
grande y tan singular, cuanto no se sabe por ningun es-
crito que ningun hombre del mundo la haya jamas teni- //

//do igual, habiendo por vuestra propia industria, ánimo y
prudencia, descubierto tanta parte de esta tierra y globo
del mundo inferior, la cual por todos los años y siglos pa-
sados ha sido desconocida por los hombres que habitan la
nuestra.- Pero tanta escelsitud de esa tan singularisima
gloria vuestra, nos parece, á decir verdad, mucho mas
memorable y completa por estar adornada de la humani-
dad y benignidad que demostrais tener hácia esta primi-
tiva patria: por lo que essalzamos con infinitas alaban-
zas vuestra disposicion y rogamos al Dios omnipotente
que os conserve dilatadamente con felicidad. - Al susodi-
cho Don Diego vuestro pleclarisimo hijo, seremos siempre
tan afectos cual corresponde á su condicion de ser hijo
vuestro y á la excelencia de los hechos y gloria vuestra,
en la cual nuestra patria comun toma y ha tenido su
parte: y así como á D. Diego nos hemos ofrecido por car-
ta, del mismo modo nos ofrecemos á V. E. en todo aque-
llo que esté en nuestra mano poder hacer por el honor é
incremento de vuestra glorisima Casa. - El susodicho
Monseñor Nicolás nos ha relatado muchas cosas de vues-
tras gracias y privilegios, los cuales ha traido aquí testi-
moniados y os rendimos inmortales gracias por habernos
hecho partícipes de ellos.
En Génova MDII dia VIII
Diciembre.



___________

(1) Robert Dodgé, Memorials of Columbus, read to the Maryland Historical Society; 3 April 1851, Baltimore, Printed For The Society, MDCCCLI, pp. 16 e 17.
(2) Justo Zaragoza, Códice Diplomático – Americano, Habana, Imprenta y Libreria “El Iris”, Obispo 20 y 22, 1867, laminas II.ª, pp. 297, 298.
Cervantes Virtual

Ver, também:
Martin Fernandez de Navarrete, Coleccion De Los Viages Y Descubrimentos Que Hicieron Por Mar Los Españoles, tomo II, p. 283 e 284.
La Real Academia de la Historia, Bibliografia Colombina, Enumeración de Libros y Documentos concernentes á Cristobal Colón y sus Viajes, Madrid, 1892, p. 59.
Codice Diplomatico Colombo – Americano ofsia Raccolta di Documenti..., Génova, Dalla Stamperia e Fonderia Ponthenier, Novembre, 1823, p. 329.




É pois, e ainda, de notar que John Boyd Thacher, Christopher Columbus, His Life, His Work, His Remains..., vol. III, New York and London, G.P. Putnam's Sons, The Knicherbocker Press, 1904, a páginas 248–255, refere algumas histórias de fraudes levadas a efeito com cópias da carta do banco de S. Jorge.
Esta obra de Thacher é de 1904 e a publicação do Município de Génova é de 1912!
Acresce referir que a esta carta se referem:
Codice Diplomatico Colombo–Americano ofsia Raccolta di Documenti..., Genova, Dalla Stamperia e Fonderia Ponthenier, Novembre, 1823, p. 329; Martin Fernandez de Navarrete, na Coleccion De Los Viages Y Descubrimentos Que Hicieron Por Mar Los Españoles, tomo II, p. 283-284., em 1825. Muito antes das alterações iniciadas por um tal Armanino, em 1857, o tal tipógrafo que (não manchemos a sua memória), apenas "limpou" as marcas do ferro...
Verdadeiramente, as falsificações só apareceram por volta dos anos de 1882/87.

Eduardo Albuquerque

4 comentários:

Anónimo disse...

Caros Senhores,

Esta carta "escrita por el Magistrado de San Jorge à Colon en fecha 8 de Deciembre de 1502" aparece aqui em Espanhol, Inglês e Italiano??? Podem-nos dizer em que lingua está escrito o original?

Marta

Anónimo disse...

Não! Está escrita na língua original, e depois traduzida para outras línguas. Deve primeiro ler-se atentamente os textos e comentar depois.
Tradução inglesa (1):
Tradução espanhola(2):

Anónimo disse...

Ex.ma Senhora,

Em resposta à sua legítima interrogação, cumpre dizer que:

Na publicação do Município de Génova, “Lettere di Cristoforo Colombo, autografi conservati nel Palazzo Municipale Di Genova”, de 1912, a transcrição apresentada é unicamente em italiano, em contraste com as outras três cartas de Cristóvão Colombo, ali custodiadas, cuja versão original é em castelhano, o que se confirma pelas imagens que delas se colhe, seguindo-se uma tradução em italiano.

Como poderá constatar, as versões dadas nas outras línguas, estão referenciados nas notas (1) e (2), e apresentaram-se como meio de facilitar o seu entendimento.

Eduardo Albuquerque

Colon-o-Novo disse...

Cara Marta,
Aqui não se espera receber mais que isto.
"Está escrita na língua original.. [ITALIANO].
Tradução inglesa (1):
Tradução espanhola(2):

Estranho que C. Colon escreve para Itália em Castelhano e o Banco lhe responda em Italiano!!! Não somente a ele mas também a seu filho escreveram em Italiano.
Depois temos um pequeno problema. É que estas duas cartas não se encontram nos arquivos de C. Colon. Claro, vão logo dizer que foram sumidas. Muito bem.

Agora alerto-lhe para a possibilidade de Cristóvão Colon ter escrito para o Banco em Italiano e em Castelhano. Sim senhora, duas cartas igualitas mas em linguas diferentes.
Está tudo bem clarinho nas palavras do Robert Dodge em 1851 aqui:
http://colombo-o-novo.blogspot.com/

Cumprimentos,
Manuel Rosa
PS: quando não se sabe em que lingua forjar um documento forja-se em todas as possiveis.