terça-feira, 5 de fevereiro de 2008

Francisco Contente Domingues - Navios e Viagens

Com a chancela da editora Tribuna da História será apresentado ao público o livro de Francisco Contente Domingues, Navios e Viagens - A Experiência Portuguesa nos Séculos XV a XVIII.
A apresentação da obra estará a cargo de João Paulo Oliveira e Costa, director do CHAM, e ocorrerá pelas 18h 15m do próximo dia 7 de Fevereiro na Academia de Marinha em Lisboa.

5 comentários:

João Carlos disse...

Quer dizer então que o cristóvão italiano não falava italiano porque levou uma «lavagem cerebral» e deixou da noite para o dia de falar italiano e passou a falar, e imagine-se, a escrever português e espanhol quando nunca aprendeu, segundo dizem, a escrever por ser cardador. Depois, nadou durante 14 Kms , segundo o documentário exposto na RTP2, a engolir água salgada, até à costa portuguesa quando tinha 20 anos. Chegou, começou a falar português, depois a escrever e a fazer cálculos matemáticos sofisticados- isto quando os próprios indigenas, não conseguiam fazer o mesmo, portanto deve ter sido da água salgada que engoliu - para em pouco tempo se tornar num navegador brilhante, mais tarde convencer os reis espanhóis e embarcar numa aventura que viria a culminar na descoberta da América. Então este homem, não é um homem. Deve ter sido sim, um Super-Homem. Nada mau para um cardador de lãs analfabeto. Deita-se ao mar, após um naufrágio, bate o recorde a nadar e ainda bate o recorde em QI. Supspeito que estamos perante um novo fenómeno humano, que, para além de ser estudado do ponto de vista histórico, também deveria ser estudado do ponto de vista anatómico. Mas nós, pessoas de QI médio, e capacidade física limitada, não temos capacidade para compreender uma história tão fantástica. Portanto, isto não passa de um mito e, provavelmente, de uma pseudo-história, que este blogue defende. Penso que deveriam analisar a água do nosso mar. É que ela deve fazer milagres que a gente desconhece.

Anónimo disse...

Queira Vossa Senhoria dirigir-se ao flho do Almirante, D.Hernando Colón, e recriminá-lo por ter escrito a biografia de seu pai.De passagem pode aproveitar para lê-la.

Francisco

João Carlos disse...

Ai sim?... E quem é que me garante que esse documento é verdadeiro? É o anónimo? Os defensores da tese portuguesa defendem que os documentos não são verdadeiros. E quem é que me garante que quem o escreveu era filho dele? É o anónimo? Acho que prefiro acreditar nos marcianos, do que acreditar numa história destas.

Anónimo disse...

Tudo indica, nomeadamente as coincidências com a obra de Las Casas, que a " Historia do Almirante" foi escrita por D. Hernando Colón.Leia Consuelo Varela. A veracidade dos escritos é que é dubitativa, dado o intutito ser engrandecer o pai. Contudo, quem se baseia em D. Hernando é o Sr. Rosa, se prefere acreditar em marcianos a acreditar no Sr. Rosa...o problema é seu!

Francisco

Anónimo disse...

"Penso que deveriam analisar a água do nosso mar. É que ela deve fazer milagres que a gente desconhece."


Essa foi de partir a rir!!

Talvez o cardador de lã tenha-se sobre-alimentado de Omega 3 quando nadou aquelas milhas todas ?!

Sim é uma pista a seguir por este blog de genoveses.