quinta-feira, 30 de julho de 2009

Cristóvão Colombo - Carta de D. Luís de la Cerda

(John Boyd Thacher)

Carta de D. Luís de la Cerda, Duque de Medinaceli, ao Senhor Cardeal de Espanha, D. Pedro González de Mendoza, de 19 de Março de 1493.

THACHER, John Boyd (1)
Christopher Columbus, His Life, His Works, His Remains, as revealed by original printed and manuscript records, together with an Essay on Peter Martyr of Anghera and Bartolomé de las Casas, the first Historians of America, Volume I, Parte II, pp. 411-412.



Transcreve-se:


«Al Reverendisimo Señor el Señor Cardenal de España, Arzobispo de Toledo,
&c.

"Reverendísimo Señor; No sé si sabe vuestra Señoria como yo tove en
mi casa mucho tiempo á Cristóbal Colomo, que se venía de Portogal, y se
queria ir al Rey de Francia para que emprendiese de ir á buscar las Indias
con su favor y ayuda, é yo lo quisiera probar y enviar desde el Puerto
que tenia buen aparejo con tres ó cuatro carabelas, que no me demandaba
mas; pero como ví que era ésta empresa para la Reina nuestra Señora,
escrebilo á su Alteza desde Rota, y respondióme que ge lo enviase: yo
ge lo envié entonces, y supliqué a su Alteza, pues yo no lo quise tentar y
lo aderezaba para su servicio, que me mandase hacer merced y parte en
ello, y que el cargo y descargo deste negocio fuese en el Puerto. Su Alteza
lo recibió y lo dió en cargo á Alonso Quintanilla, el cual me escribió de su
parte que no tenia este negocio por muy cierto; pero que si se acertase,
que su Alteza me haria merced y daria parte en ello; y despues de haberle
bien examinado, acordo de enviarle á buscar las Indias. Puede haber
ocho meses que partió, y agora él es venido de vuelta a Lisbona, y ha hallado
todo lo que buscaba, y muy cumplidamente, lo cual luego yo supe, y por
facer saber tan buena nueva á su Alteza ge lo escribo con Xuares, y le
envio á suplicar me haga merced que yo pueda enviar en cada año allá
algunas carabelas mías. Suplico á vuestra Señoria me quiera ayudar en
ello, é ge lo supliqué de mi parte, pues á mi cabsa y por yo detenerle en
mi casa dos años, y haberle enderezado á su servicio, se ha hallado tan
grande cosa como esta. Y porque de todo informará mas largo Xuares

(Cogolludo - Palácio dos Duques de Medinacelli - janela)

412

á vuestra Señoria suplícole le crea. Guarde nuestro Señor vuestra Reverendísima
persona como vuestra Señoría desea. De la mi villa de Cogolludo
á diez y nueve de Marzo. Las manos de vuestra Señoría besamos.
El Duque.»
(Escudo de Cogolludo)
_____________

(1) John Boyd Thacher

Cfr. Carta del Duque de Medinaceli sobre el alojamiento que dio a Cristóbal Colón

Palácio dos Duques de Medinaceli


Eduardo Albuquerque

7 comentários:

José Manuel CH-GE disse...

TITLE: Exploring Waldseemuller's World: Changes and Revolutions

SPEAKER: Various Speakers
EVENT DATE: 05/15/2009
RUNNING TIME: 207 minutes

DESCRIPTION:

Prominent scholars gathered at the Library to examine Waldseemuller's cartographic vision and to reflect on the philosophical and historical context of the map's production and reception. Experts spoke on a wide range of topics, from the history of exploration and German Humanism to the mathematical and astronomical basis of early 16th-century cartography.

http://www.loc.gov/today/cyberlc/feature_wdesc.php?rec=4566

Queiram ter a coragem de ver esta vidio conferência da Livraria do Congresso dos USA, mais tarde ou mais cedo Portugal sairá engrandecido de tudo isto.

Cumprimentos,
José Manuel CH-GE

Colon-o-Novo disse...

Meu Deus!!
Tanto trabalho a apontar o cisco no olho do próximo sem reparar na trave que está no nosso!!!!
Tudo isto para provar que o nome era COLOMO? O que vem a ser um COLOMO? Já alguma vez viu essa palavra nalgum outro local sem ser nos escritos relacionados com Colon?
Não lhe aparenta que a palavra COLOMO é mal grafia de outra?
Claro que para si é erro para a palavra Colombo. Com qual prova? Nenhuma.
O homem usou o nome Colon e nunca Colomo ou Colombo.

Mas o mais importante desta carta que aparentemente não vos faz consternação nenhuma é dar a razão do que fazia Colon a ser alojado em casa de um dos mais nobres de Espanha por 2 anos? Seria um tecedor humilde e em incumbência própria acolhido por nobres do reino em vez de pelos genoveses trabalhadores e comerciantes que por lá andavam?
O que fazia este homem em casa dos mais altos personagens do Reino sem ter feito ainda nada de importante para tal?
Essa é a pergunta que se deve perguntar e não se o Colomo era erro para Colombo. Pois para um homem a usar um nome falso tanto serviria Colon, Colomo, Colombo, Palha, Palheiro, Magro, Magriço, Albuquerque ou Coelho. Logo que não usasse o seu nome verdadeiro estava tudo bem.

É por aqui que se começa a entender as coisas. É em entender que o homem era nobríssimo antes de ser conhecido pelo mundo e como tal já era recebido e apoiado na sua missão por Condes, Duques e Reis??.
Décadas antes de ser alguém com o nome falso já era alguém e bem conhecido com o seu verdadeiro nome.
E nisto tudo há uma pergunta mais importante, porque é que todos aqueles que o conheciam com o nome verdadeira e pela sua linahgem de estripe insistiam em apelidarlo por um nome falso?

Note ainda: "y agora él es venido de vuelta a Lisbona"!!! O Duke recebera notícias de Colon estar em Lisboa. Por que via?

Também há outra carta deste mesmo Duke que diz que começou a construir as caravelas para a viagem de Colon antes de dicidir que isto era empresa para a Rainha (de quem o Duke, que era partidário de Portugal pouco gostava)... imagine que o Duke que teria centenas de caravelas ao seu dispor não teria nenhuma com que Colon viajasse e tivesse que mandar construir-las???

Eu muito gostaria que aplicassem a mesma desconfiança à teoria usada pela história oficial que aplicam às outras teorias.

Por exemplo, não era este Luis de La Cerda primo do cunhado de Colon, Pedro Correia da Cunha (Lacerda) e sendo aliado de Portugal, não faria parte da mesma missão de D. João II contra a Rainha Católica???
Porque não focam nos factos que nos podem levar à verdade em vez de tretas sobre um nome que nem era o seu verdadeiro?

-Manuel Rosa

Corrección de textos. disse...

Esta carta es una prueba más, de entre las miles que tenemos, de cómo a finales de la Edad Media, los duques de Castilla hospedaban en sus palacios y en sus castillos a los humildes cardadores de lana genoveses. En los palacios de los duques, los humildes cardadores de lana genoveses preparaban sus negociaciones con los reyes más poderosos de Europa. Siempre había una habitación en el palacio de un duque para un humilde cardador genovés. Eso lo sabe todo el mundo.

Cuando luego los humildes cardadores genoveses volvían de sus viajes de descubrimiento, los duques escribían Colomo en grandes letras rojas. Lo hacían para demostrar que sus amigos los cardadores de lana no se apellidaban Colón, con lo que de paso demostraban igualmente que tampoco se apellidaban Colombo. Luego se sentaban todos a la misma mesa (los duques, como es sabido, comían habitualmente con humildes cardadores de lana genoveses) y reían y bailaban y cantaban y brindaban con Ribeiro hasta el amanecer.El Ribeiro sí existía y lo llevaba Colón en sus naves, muchas de las cuales, por cierto, se llamaban "La Gallega", entre otras, la nave capitana de su primer viaje.

Cinco siglos después, los historiadores serios, los de verdad, usarían esas cartas para demostrar que el verdadero apellido de Colón no era Colón ni Colombo era... Colomo. Luego no les quedaba otra opción que tirar al fuego toda la Raccolta de los Colombo y empezar de cero. O suicidarse.

Anónimo disse...

"O DIABO" estará nas bancas amanhã e dedica duas páginas ao nobre português que a História ficou a conhecer como "Cristóvão Colombo".
Já que os (sacro)Santos pouco falam disto, o Diabo assume, porque a Verdade é tão verdade vinda dos Céus como dos Infernos!
Não espere que lhe contem: leia amanhã mesmo!

Anónimo disse...

Aconselhava que não deixassem passar sem resposta o que vem escrito no novo livro de Manuel Rosa sobre o Professor Luis de Albuquerque. É uma falta de respeito atacar uma pessoa morta. Sandra Oliveira

Anónimo disse...

«Aconselhava que não deixassem passar sem resposta o que vem escrito no novo livro de Manuel Rosa sobre o Professor Luís de Albuquerque. É uma falta de respeito atacar uma pessoa morta. Sandra Oliveira»

Se acha que Manuel Rosa fez um ataque desrespeitoso a Luís de Albuquerque, então veja o que escreveu Luís de Albuquerque sobre Jaime Cortesão e Armando Cortesão, nas suas Dúvidas e Certezas na História dos Descobrimentos Portugueses 1ª pt., muitos anos após as suas mortes.
Cara Sandra a historiografia tem de ser critica!
Viva às revisões históricas!

Olho Vivo

Anónimo disse...

«Aconselhava que não deixassem passar sem resposta o que vem escrito no novo livro de Manuel Rosa sobre o Professor Luís de Albuquerque. É uma falta de respeito atacar uma pessoa morta. Sandra Oliveira»

Mas o Rosa escreveu um livro?
Conte lá, eu não sabia de nada!

Pé Ligeiro